Já falei sobre o Reddit algumas vezes aqui. É incrível como dá pra achar tanta coisa foda numa única rede social ao invés de brigas de ego e chapolins sinceros. Twitter e Facebook, estou falando de vocês.

Estou aqui dando uma rolada rolando a página inicial do Reddit quando vejo um post do /r/Handwriting onde um usuário pede dicas de como melhorar sua caligrafia, muito embora eu não ache que ele precisa.

reddit caligrafia handwriting

Resolvi sair da página inicial e adentrar ao subreddit das pessoas cujas caligrafias são tão maravilhosas que me deixam envergonhado pelos meus últimos 16 anos como estudante. E foi aí que eu vi a foto abaixo. Cliquem nela pra ficar gigantesca.

caderno de química

Letra bonita, caderno organizado e química orgânica: o universo tá querendo mesmo que eu me mate de vergonha, só pode.

Juro pra vocês que eu fiquei alguns minutos admirando cada nuance dessa caligrafia, tentando descobrir um jeito de emulá-la e tranformá-la na minha própria, além de tentar encontrar um padrão de organização para o uso de cada cor. É uma página verdadeiramente bonita.

E depois de comentar isso no twitter e iniciar uma conversa de duas horas com o @rafabulsing (leiam o blog dele também!), eu me lembrei como eu fui um total fracasso quanto à minha disciplina na escola – assim como na faculdade – no quesito de anotar a matéria da aula e deixar meus cadernos legíveis e apresentáveis.

Não lembro bem como eram meus cadernos no Ensino Fundamental, mas quando fui para o Ensino Médio resolvi abandonar a letra cursiva afim de tornar as coisas mais claras pra quem quer que lesse o que eu escrevia. Demorou um tempinho para me acostumar mas a mudança ocorreu. No entanto, em algum momento da minha vida, eu adotei uma mania estranha (quase um TOC) de fazer pontinhos com a caneta no meio das palavras. Era algo injustificado. Eu simplesmente queria acertar algum átomo perdido no meu caderno mas nunca conseguia fazê-lo de primeira, o que acabava resultando num pedaço de papel com uma obra amadora da técnica do pontilhismo.

E isso era tão automático que eu só percebi que eu fazia isso quando um colega meu perguntou o que diabos eu estava fazendo.

Outra mania infeliz foi a tal da procrastinação. Volta e meia apareciam – “apareciam”, como se não fosse eu o responsável por isso – páginas em branco no meu caderno com um “COPIAR DE ALGUÉM DEPOIS” escrito lá no alto. Ou então uma página cheia de garranchos escrita “PASSAR A LIMPO”. Mas por que alguém seria idiota para copiar a matéria de maneira porca para depois passar a limpo, sendo que poderia fazer tudo bem feito da primeira vez? Bem, vou explicar.

Desde que eu me entendo por gente eu nunca foi muito rápido para escrever. Mas agora sendo um pouco mais velho e parando para analisar, cheguei a três teorias que poderiam explicar minha falta de habilidade: a primeira é que eu conversava pra cacete e quando me dava por mim o corno professor já estava apagando as primeiras anotações no quadro. A segunda é que pode ser um princípio de TDAH, e eu arrumava coisa melhor pra fazer, o que também me fazia perder as anotações que estavam no quadro. A terceira e última teoria é que é simplesmente impossível prestar atenção ao que o professor está dizendo ao mesmo tempo em que tenta copiar toda a matéria no caderno. Enfim, deve ser uma dessas três. Eu não posso simplesmente ser burro. Ainda mais depois de escrever aquele último post.

E se já era difícil copiar toda a matéria com a letra feia, imagina só fazer isso com todo o capricho que só as meninas mais cuidadosas da turma conseguiam aplicar… Só que por causa da procrastinação, fui sempre prometendo pra mim mesmo que um dia copiaria toda a matéria atrasada, entretanto meu Ensino Médio terminou há quatro anos e eu não lembro de ter feito isso uma única vez.

Mas voltando aos cadernos e letras bonitinhas, existe uma coisa que TODA CRIANÇA já fez: entrar numa papelaria e implorar por um caderno foda e um conjunto de canetas super estilosas que não escorregam, não dão calos e acima de tudo, magicamente incentiva o estudante a querer copiar tudo o que o professor fala na sala de aula.

E o pior que isso acontece mesmo quando você já está com mais de 20 anos e tentando se formar na faculdade. Não é à toa que saí da faculdade duas vezes. A culpa é daquele caderno xexelento de 96 folhas que, de tanto evitar escrever nele, acabei mantendo-o por dois semestres e com várias páginas em branco.

Mas “esse ano promete”. Quando eu pisar na faculdade de novo estarei com meu caderno universitário sem pauta e com folhas amareladas sem ácido tipo moleskine e com um belo conjunto de canetas 0,4mm da Stabilo. Tudo isso para tentar de uma vez por todas ter um caderno tão bonito que me faça ter a disciplina de escrever todas as anotações nele e eu não precisar sair desesperado para pegar matéria atrasada com o coleguinha.

materialfaculdade

PS.: agradeço a quem puder enviar uma foto do próprio caderno pra ser avaliado pela equipe desse blog (eu).

PPS.: apesar dos exageros no final, acredito fortemente que só de ter escrito esse texto e feito promessas perante alguns desconhecidos anônimos, eu realmente vou anotar a matéria tal como um belo de um CDF. Essa coisa de “externalizar o problema” dá certo mesmo.

PPPS.: sério, mandem fotos dos seus cadernos, na moralzinha.

Anúncios