Bom dia, boa tarde ou boa noite! Começa agora a primeira RETROSPECTIVA DESDE 91 (não confudir o nome do blog com o ano de 1991). Talvez seja um pouco cedo pra começar a relatar minha longa “carreira” como “blogueiro”, mas como vocês puderem perceber pelo “excesso” de aspas eu não ligo a mínima para o que pode ou não ser feito aqui. Pra falar a verdade esse texto era pra ter saído no ano passado, mas como eu enrolei pra cacete priorizei outras tarefas, acabei não escrevendo.

Vamos fazer uma viagenzinha ao ano de 2005 antes de mais nada.

Pois bem, 2005 foi quando eu meti a cara nesse negócio de escrever pra internet. Meu pai assinava a revista Veja na época e, entre uma folheada e outra, acabei parando na seção Internet da edição de 1 de junho de 2005.

Então foi aí que eu criei meu primeiro blog, o XDFM (X por causa de X-Men Evolution – meu vício na época – e DFM por causa das minhas iniciais). Um nome escrotíssimo, mas que fora homenageado em um telejornal que meu grupo apresentou na escola, o XDFM News.

Depois disso, um colega meu chamado Fillipe criou o XMoita (nunca entendi o motivo da moita) e me chamou pra fazer parte da “equipe”. Eu aceitei, já que na época minha internet era discada e eu estava perdendo leitores devido à falta de atualizações. Comecei a escrever nesse novo blog, que era atualizado todo dia pelo meu “sócio” e, às sextas-feiras, a gente se reunia na casa dele pra postar mais coisa, jogar video-game, comer salgado com Coca-Cola e falar bobagem. Só que tudo isso, e principalmente o video-game, começou a atrair mais pessoas pra casa do Fillipe e, cedo ou tarde, essas pessoas davam opiniões sobre o XMoita e, por causa disso, a gente começou a incluir o nome de todo mundo na equipe.

Lutinha e correria dentro de casa: mais um dia normal pra equipe do XMoita.

Quando o número de postagens, visitantes e comentários do XMoita havia ultrapassado o XDFM eu apaguei meu blog, que nos últimos tempos só continha textos de 10 linhas sem formatação, piadas e charges do Maurício Ricardo (quem eu tive o prazer de conhecer em 2011 na Campus Party).

Algum tempo depois, minha família e eu tivemos que mudar de cidade, então a “equipe” se desfez, já que o único membro do grupo que realmente se importava com o blog não se faria mais presente. O Fillipe até que ajudava bastante, mas na maioria do tempo ele ficava jogando Need For Speed com os outros “membros” da “equipe”. Aí presumo que tenha restado só duas pessoas (Fillipe e Guilherme) e que o blog tenha virado uma merda, sendo deletado depois. Só que os indivíduos em questão, esqueceram de apagar a conta no Blogger, como vocês podem ver aqui. E antes que vocês perguntem alguma coisa, o Quem Sou Eu e os Interesses do perfil foram modificados após a minha saída.

Em outubro de 2005, morando na minha cidade-natal pela primeira vez, me vi precisando de uma rede social para continuar em contato com as pessoas da minha ex-escola. Infelizmente a única rede disponível era o orkut. Depois de entrar em um milhão de comunidades, acabei parando na do filme “Sequestro em Malibu” (Malibu’s Most Wanted), e lá conheci um tal de Alex que morava em Porto Alegre. O ápice desse capítulo da história é aqui, quando ele conta que tinha um grupo de rap chamado Ghuetto 25 e eu proponho a criar um blog pra ele. Eu não manjava nada da cultura hip-hop e, aparentemente, ele também não porque o blog existiu durante 2006 e 2007 e só teve dez postagens ao todo.

Nessa mesma época, eu criei um Flogão com imagens kibadas do Kibe Loco (vejam só vocês!), fechei por causa da preguiça, abri outro, fechei de novo.

Então finalmente chegamos em 2008. O vídeo abaixo é uma metáfora de como eu adentrei novamente à blogosfera com muita ginga e sensualidade.

Graças a uma pesquisa no Google a fim de encontrar os trabalhos de um sujeito chamado Guilherme Briggs, acabei achando uma “entrevista em áudio” que ele tinha dado. Mais tarde, descobri que essa entrevista era um tal de podcast. Quando eu vasculhei um pouco mais o site onde estava o podcast, descobri e me interessei imediatamente pelo Nerdcast, o melhor podcast do mundo! Bom, pelo menos na época ele era o melhor do mundo. Hoje em dia é um tal de ComéquePOD. Recomendo fortemente.

Mas aí, o que aconteceu foi o seguinte: com esse meu gosto pela cultura pop aguçado novamente por causa do Jovem Nerd, resolvi que eu também deveria passar para frente aquilo que eu sabia. Além disso, eu estava no meio do Ensino Médio e havia recebido elogios de uma professora de redação muito perfeccionista. “Ora, se eu escrevo bem, é um bom motivo pra eu criar um blog de novo”, pensei. O problema era a escolha de um nome para o blog. Não podia ser “Blog do Danilo”, nem “XDFM” de novo ou muito menos “Jovem Geek”. Então comecei a pensar em algo que lembrasse o Jovem Nerd e logo veio a ideia de procurar uma frase marcante na comunidade do orkut.

E acabei achando.

Dá um clique aí pra ficar grande.

Em abril de 2008 criei o “Sabe Qualé?“, um blog que misturava publicações pessoais com notícias e coisas legais achadas na internet. Era um blog legal, mas que sofreu muito na minha mão com as inúmeras alterações de layout. Acho que, olhando para trás agora, a parte mais legal de ter feito aquele blog foram os comentários deixados pelo Cid do Não Salvo quando ele ainda era um blogueiro desconhecido.

Em junho de 2009, poucos meses antes do vestibular, eu já me encontrava sem muitas motivações para continuar postando no blog. Replicar conteúdo alheio já não era tão interessante, visto que um milhão de páginas já faziam isso e com muito mais destaque que o Sabe Qualé?. Resolvi criar um blog que era mais a minha cara, com textos e bobagens produzidos por mim mesmo. Em agosto daquele mesmo ano criei o Ovo de Yoshi, afinal todos os bons nomes de blogs já tinham sido usados. Pouco tempo depois, resolvi mudar de uma vez por todas o nome do blog, assim como seu layout que tinha umas cores meio estranhas (verde musgo com detalhes marrons) e uma caricatura do Leonard Hofstadter como mascote.

A partir de agosto de 2009, o Ovo de Yoshi mudou de nome e de cara e deu lugar ao DESDE 91!

Se você parar pra pensar, o Ovo nunca deixou de existir. Ele é como um cemitério indígena que tem sua existência ignorada para dar lugar a um grande estacionamento de 10 andares. Querendo ou não, sua essência continua ali, assombrando incautos e só esperando um idiota com explosivos e uma picareta aparecer para revelar sua existência ao mundo novamente…

Agradeço a todo mundo que já leu ou comentou aqui. São por causa dessa meia dúzia que eu continuo a escrever. Vocês são fodas!

FIM.

Statler Waldorf Desde91

Anúncios