De vez em quando, vivemos momentos peculiares em nossas vidas que, com o passar do tempo, começamos a desconfiar se realmente aquilo aconteceu ou se foi apenas fruto da nossa imaginação. O pior é que com o tempo, nossas memórias (principalmente as memórias visuais) começam a ficar cada vez menos nítidas.

Durante meus longos 21 anos, me lembrei de um filme que eu tinha a certeza absoluta de ter assistido quando criança, na Globo ou no SBT. Não sei se já comentei sobre esse filme com alguém, mas estou certo que não, afinal as poucas lembranças que eu tinha fariam a pessoa nem pensar antes de responder “com certeza isso é coisa da sua cabeça”.

Aliás, alguns anos atrás passei a consumir inúmeros filmes afim de que algum dia eu conseguisse reassistir a todos os filmes da minha infância e, enfim, encontrar esse suposto fruto da minha imaginação. Adquiri um enorme gosto por cinema mas o plano inicial obviamente não deu certo.

Minhas poucas memórias se resumiam a: 1) o filme se passava com dois irmãos gêmeos, um muito sério e o outro muito insano; 2) o insano, quando saía do quadro (“quadro” no sentido de “ângulo capturado pela câmera” e não de uma peça de arte), se transformava em várias coisas durante o filme, do mesmo jeito que o Máskara e o Freakazoid faziam; 3) uma cena em que o gêmeo maluco pegava o quadro da Mona Lisa e o transformava em uma outra mulher com os peitos de fora; e 4) no final, esse mesmo irmão gêmeo entrava pela porta de um armário e saía em uma outra dimensão parecida com um parque ecológico e se encontrava com os personagens em que ele mesmo se transformava.

É bizarro, muito bizarro. Porém, como vocês puderam perceber pelo título do texto, eu consegui encontrar o tal filme. Ele se chama The Nutt House, foi lançado em 1992 e tem o brilhante título em português: “Nut – Nasceu Burro, Não Aprendeu Nada, Esqueceu A Metade”. Agora, COMO DIABOS ALGUÉM PODERIA ACHAR ESSA PORRA NA INTERNET?

O filme é tão underground que nunca consegui achar nada no IMDB (Internet Movie Database). Num site chamado “Base de Dados de Filmes na Internet”, o caralho do filme só possui NOVE palavras-chave e nenhuma delas foram as que eu pesquisei.

Só pra vocês terem ideia, Spaceballs, que é outro filme bizarro da minha infância (uma paródia de Star Wars com Rick Moranis no papel de Darth Vader Dark Helmet), tem 99 palavras-chave. Já o “Star Wars – Episódio IV” possui “apenas” 199 plot keywords. Como é que eu ia achar um filme com míseras nove palavras-chave?!

E como foi então que eu consegui achar o filme?

Simples! Na última quinta-feira, o senhor Israel Nobre, CEO do queridíssimo blog “Hoje é um Bom Dia”, escreveu um texto chamado “[ Pergunta do dia ] Você já teve alguma memória falsa?“, onde ele dizia ter a lembrança de uma cena do filme Matrix, quando na verdade a cena só existia no script lido por ele anos atrás.

Como esse texto da memória falsa começa com uma pergunta, somos induzidos a ir lá na seção de comentários falar sobre uma experiência pessoal. Mais que depressa A princípio eu não lembrava de nenhuma memória falsa, até que me veio à mente o maldito filme do irmão gêmeo. Fui lá e escrevi meu comentário.

Escrevi bem mal escrito, por sinal.
Escrevi bem mal escrito, por sinal.

Saí do blog sem muitas esperanças e fui fazer outras coisas. Hoje cedo, entrei de novo no post e vi lá dois comentários que deixo logo abaixo pra vocês.

comentarios

Puta merda, por isso que eu amo a internet. <3

Anúncios