Estamos a uma semana do Natal e, para comemorar em grande estilo (ou pro caso de você passar o Natal sozinho em casa), preparei a seguinte lista de filmes natalinos:

Natal em Família (I’ll Be Home for Christmas – 1998): sem dúvida, um dos filmes mais memoráveis – para mim. A história se passa com um universitário procrastinador que recebe uma proposta do pai: se ele conseguir viajar de volta pra casa e passar o Natal com a família, ele receberá o Porsche do seu velho. Obviamente, o universo passa a conspirar para que Jake (o protagonista) não chegue em casa a tempo. Eu já assisti a esse filme tantas vezes no SBT que já é impossível eu esquecer cenas como Jake vagando pelo deserto vestido de Papai Noel, ou ele telefonando pra irmã para que ela compre uma passagem de avião pra ele por telefone, ou até mesmo a antológica cantoria de um policial para sua ex-mulher (“Oh, Marjorie! Oh, Marjorie! Insisto que volte pra casa…”). Aliás, a cena do aeroporto é ótima. O cara tá sem grana e liga desesperado pra irmã, na esperança que ela compre uma passagem pra ele usando o cartão de crédito do pai (se não for isso, é algo parecido). Aí a irmã tem a brilhante ideia de criar uma senha de segurança que só os dois, além da mulher do guichê, saberão. Tudo ok até aí. Quando Jake desliga o telefone e vai pegar a passagem, a mulher pergunta a senha e ele responde algo como “Eu sou Jake, um babaca, e minha irmã Fulana é uma garota muito especial para mim. Por isso eu a amo”. Vale lembrar que a senha estava certa, mas mesmo assim, não era suficientemente segura para que Jake resgatasse sua passagem aérea pra casa. Apesar de ser um filme de comédia, ele passa uma mensagem muito legal no final.

O Estranho Mundo de Jack (The Nightmare Before Christmas – 1993): assisti pela primeira vez na casa dos meus primos quando eu tinha uns sete anos. Ele conta a história de um habitante da Cidade do Halloween, chamado Jack Skellington, que se cansa de comemorar o dia das bruxas sempre do mesmo jeito. Sendo assim, ele sai da cidade e chega na floresta onde encontra um conjunto de árvores que na verdade são portais para outros lugares como, por exemplo, a Cidade do Natal. Ao entrar (ou cair, sei lá) pelo buraco do Natal, ele estranha aquele lugar feliz e volta pra sua cidade sem entender direito o que viu. No final das contas ele e seus amigos sequestram o Papai Noel, mas acaba dando merda. O final eu não lembro, mas vote em mim que eu te conto, abestado!

O Grinch (How the Grinch Stole Christmas – 2000): baseado no conto escrito por Dr. Seuss, famoso pelas suas histórias infantis, “O Grinch” é um filme que tem a peculiaridade de ser engraçado apenas na versão dublada em português pelo Guilherme Briggs (também dublador de Buzz Lightyear de “Toy Story”, do Cosmo de “Padrinhos Mágicos”, entre outros). A história se passa em um mundo onde pequenos humanóides vivem dentro de um simples floco de neve. Exatamente isso: um mundo inteiro num floco de neve! Todas as criaturas são irritantemente alegres o tempo todo, exceto pelo único personagem normal do filme inteiro: o nosso herói verde e mal-humorado Grinch, interpretado por Jim Carrey. O plano do Grinch, como sugere o título original, é roubar o Natal. Para isso, ele começa a roubar toda a decoração natalina dos Quem (esse é o nome dado para a população de Quemlândia. #tenso) e no final seus planos são estragados por uma garotinha chamada Cindy Lou e todos ficam sabendo porque a verde-criatura é tão rabugenta: vingança, simples assim. Agora, uma coisa que eu sempre me perguntei: sendo os Quem não humanos e habitantes de um mísero floco de neve, como foi que eles ouviram falar de Jesus e porque diabos eles celebram o Natal?

Herói de Brinquedo (Jingle All the Way – 1996): imaginem Arnold Schwarzenegger no papel de um pai que só de lembra de comprar o presente do filho na véspera do Natal. Pronto, taí o filme. O pior é que o presente é o brinquedo mais procurado do ano: o boneco TurboMan, uma versão canadense paraguaia do Homem de Ferro. O filme inteiro é uma tensão foda justamente pela epopéia de tentar encontrar tal brinquedo. É uma espécie de vale-tudo, desde participar de uma promoção da rádio da cidade para ganhar o boneco até entrar numa fábrica clandestina onde os trabalhadores são sujeitos mal-encarados vestidos de Papai Noel e duendes. E pra entrar na tal fábrica é necessário uma senha: “bate o sino na cabeça do menino” (hahahaha, não acredito que eu lembro dessa frase até hoje!). Depois de tanto procurar o presente do filho, Schwarzenegger ainda é confundido com um dançarino e é obrigado a vestir uma roupa de TurboMan (com poderes de verdade!) para participar da christmas parade e é lá que seu filho é toscamente iludido e solta a frase: “Eu não preciso de um TurboMan. Meu pai é o TurboMan!”. No final a criança fica satisfeita. O único problema é que Arnold esqueceu de comprar o presente da esposa também (e é aí que entra a melhor jogada de câmera do filme).

E por último, mas não menos importante (justamente o contrário)…

Papai Noel às Avessas (Bad Santa – 2003): o filme se passa com um ladrão chamado Willie, vivido por ninguém menos que Billy Bob Thornton. Para roubar as lojas no Natal, ele arrumava um emprego de Papai Noel de shopping e assim, conseguia acesso mais fácil aos cofres. Num belo dia, uma das crianças que vai conversar com ele conta que está morando com a avó e que sua casa é muito grande. Ótima deixa para um grande roubo. A questão é que o garoto, apesar de ser um verdadeiro fracote e um exímio pé-no-saco, acaba comovendo Willie. O filme tem várias cenas geniais como Willie colocando o menino pra lutar boxe com seu ajudante anão (na esperança de deixar o moleque menos fracote); o menino pegando Willie num momento íntimo com uma mulher a que ele passa a chamar de Mamãe Noel; Willie bebendo durante o filme inteiro e a palavra “fuck” sendo pronunciada exatamente 159 vezes. Importante ressaltar que no final, o garoto ganha vários conselhos de Willie, além de uma camiseta escrito “Shit happens when you party naked”. Definitivamente esse é o melhor filme de Natal de todos.

Tá esperando o que? Vá na “Locadora BitTorrent” mais próxima de você e assista a esses filmes!

PS.: Esse ano ganhei o melhor presente de todos os Natais desde que eu deixei de ser criança. E sabe quem me deu? Eu mesmo. Nada de esperar o dia 25 pra ganhar só roupa. Agora os tempos são outros.

Ainda falta mais um presente chegar. Provavelmente chegará no dia 24. Aguardem o update dessa postagem. Feliz Natal!

UPDATE:

Esse era o presente que faltava. Chegou no dia 27, véspera do meu aniversário.

Anúncios