Olá, amigos! Como algumas pessoas sabem, viajei pra Diamantina/MG ontem pra dar uma olhada em algumas casas lá, coisa e tal. Como eu disse anteriormente, passei no vestibular e, sendo assim, tenho que mudar de cidade.

Centro de Diamantina (alt text)

Chegando lá, fomos procurar a casa de uma senhora para a qual meu pai tinha ligado alguns dias antes. De cara já gostei da casa, e não digo isso só de pensar que a tal senhora pode ler esse texto no futuro. Ela nos chamou para entrar (eu, meu pai e minha mãe) e então foi logo mostrando a casa e dizendo que tinham dois quartos livres (um duplo e um individual), mas isso nós já sabíamos pois ela já tinha dado alguns detalhes por telefone. Evidentemente, vocês acham que eu escolhi o quarto individual. Errado!

Primeiro, porque esse quarto não tem banheiro, então eu teria que usar diariamente o banheiro do corredor e dividí-lo com mais duas pessoas, além de ficar naquele leva-e-trás de toalha, sabonete, shampoo, etc todo dia. Segundo, como o outro quarto só era para dois, então eu teria que dividir o banheiro só com uma pessoa. Matematicamente, eu estaria em vantagem.

O terceiro motivo eu só me dei conta bem mais tarde e é o seguinte: o cara com quem eu vou dividir o quarto faz um curso diferente do meu e (coitado!) tem que ficar quase o dia inteiro na faculdade. Já o meu curso oferece aulas apenas à noite, justamente na hora em que meu colega de quarto está em casa. Teoricamente, eu ainda estaria em um quarto sozinho e ainda por cima com banheiro!

Depois de trocar mais algumas informações com a dona da pensão, fomos procurar uma outra casa, onde dormi uma vez no ano passado (contarei essa história em um post futuro). Conversamos – entenda “meus pais conversaram”, eu só prestei atenção – com a dona dessa segunda pensão, pegando informações e tudo mais e, eis que no final do dia, chegamos a conclusão de que a primeira casa era melhor por alguns motivos:

– Ela é perto de um supermercado, ou seja, quando a fome repentina der as caras, lá vou eu comprar algumas cositas. Eu não sou do tipo que come bobagens nem do tipo que gasta o pouco dinheiro que sobra, mas vez ou outra eu vou dar uma passada no supermercado sem pestenejar.

– O ponto inicial do meu ônibus fica a menos de 2 minutos da casa. Sendo assim, eu terei a oportunidade de escolher o lugar que eu quiser me sentar toda vez que eu for pra faculdade.

– A segunda moradia não oferece alimentação e mesmo sendo mais barata, o custo mensal de morar e me alimentar seria bem maior do que eu ficando na primeira pensão.

Por enquanto é só.
Aguardem novas aventuras de um universitário do barulho!

Anúncios