Depois de muito pensar sobre o assunto, entro no orkut para responder os milhares de scraps que as pessoas me mandaram no meu aniversário, que foi há 12 dias. Digo que pensei muito por duas razões:

A primeira é que, se não fosse pelo orkut por minha culpa, o orkut não exibiria meu belo avatar na página inicial dos meus contatos. Sendo assim, ninguém – exceto uma ou duas pessoas – sequer se lembraria da minha existência, mantendo dessa forma meu scrapbook inercialmente vazio. O que não aconteceu dessa vez, para o meu azar.

Responder scraps = reação em cadeia

A segunda razão é que recebi uma chuva de scraps que pareciam terem sido copiados do primeiro infeliz que escreveu “parabens tudibom” e colados logo em seguida. Visto isso – e me baseando na política dos bons modos do orkut, entenda como quiser – me sinto obrigado a responder a todos eles, pois afinal as pessoas “fizeram questão de se lembrar de mim”. O problema é que, fazendo isso, causarei uma reação em cadeia tão absurda que terei que desperdiçar um bom tempo no orkut interagindo com todo mundo até faltar assunto e assim, recuperar a paz no meu scrapbook, coisa que demorei muito pra fazer da primeira vez.

“Nooooossaaaa… mas eles são seus amigos. E se eles realmente se lembraram do seu aniversário?”, você irá me perguntar.

Primeiro, posso garantir que nem 10% dos meus contatos são meus amigos de verdade. Se você considera seus colegas como amigos, sinto muito.

Segundo, em 2008, antes do meu aniversário chegar, mudei a data dele para o meio do ano, só para faze-lo passar em branco no mundo virtual. Acontece que, de todos os meus contatos, três pessoas se lembraram de mim e mandaram os parabéns, que eu aceitei com todo prazer e fiz questão de responder à altura, afinal como eles se lembraram MESMO era o mínimo que eu poderia fazer. Com base nisso, podemos voltar no que eu disse no começo, que se não fosse por minha causa a maioria das pessoas nem se lembraria. Só pra vocês terem ideia, eu odeio mandar scrap para as pessoas, mas faço algo bem melhor e que com certeza significa muito mais para elas: eu TELEFONO desejando os parabéns. Sim, caro leitor, se você passa o dia atolado no orkut, saiba que existe um meio de comunicação chamado telefone e que de vez em quando é bom usa-lo.

Terceiro, teve gente totalmente desconhecida que já me mandou parabéns no meu antigo blog e no twitter e que, eu garanto que se elas tivessem meu número, teriam me ligado, ao contrário de muita gente que eu conheço de verdade.

E se você está pensando que eu gastei mais 400 palavras falando de aniversário porque eu tenho um trauma ou algo assim, saiba que não. Realmente eu nem ligo, afinal a única coisa que eu fiz foi ser expulso do ventre da minha querida mamãe, caso contrário porque eu mudaria a data do meu aniversário no orkut? Eu só precisava de uma base pra apoiar meus argumentos e escrever esse post de forma sensata.

Uma coisa que eu comentei no blog da Juliana, é que um dos motivos que me faz desistir da ideia de apagar minha conta é o “medo” de perder contato com as pessoas que de uma forma ou de outra, já fizeram parte da minha vida, como alguns ex-colegas da quinta série por exemplo. Me lembro de como eu fiquei feliz de vê-los no orkut, e mesmo que hoje eles fiquem lá na página de amigos como um velho álbum de figurinhas em que eu dou uma olhada uma vez ou outra, prefiro não cometer o orkuticídio.

Outro motivo são as comunidades que raramente eu insisto em entrar. Hoje em dia são poucas mas já cheguei no limite de 1000 comunidades umas três vezes, entrando nas mais absurdas (entenda “retardadas”) possíveis. Meu método de escolha das comunidades era terrível: entrava nas que eram engraçadas, depois nas comunidades relacionadas que fossem engraçadas e assim por diante. Favor levar em conta que eu era apenas um adolescente acéfalo de 13 anos.

A primeira coisa que eu fiz pra apagar esse lixo todo era dar uma olhada geral naquela lista e ir apagando as piores. Depois, eu ia na minha página inicial e apagava as mais toscas que apareciam entre as nove. E por último, deixei apenas aquelas em que eu tinha criado ou participado de um tópico que tivesse alguma relevância.

Quanto ao meu álbum de fotos, nunca coloquei nada lá que eu achasse ser importante para compartilhar com os outros, a não ser ter criado um sub-álbum chamado Formatura e com uma única imagem que continha o link pro verdadeiro álbum, que está no Flickr.

Agora, cá pra nós, existe uma coisa que torna quase totalmente irrelevante a ideia de manter contato com “as figurinhas antigas do meu álbum”: pessoas que escrevem depôs miguxentos em troca de outros, como se isso fosse significado de poder ou importância no mundo real. É como muita gente diz, maldita seja a inclusão digital. E eu ainda acrescento: abençoado seja Jack Dorsey por ter criado o Twitter.

Então é isso. Vou terminar isso aqui antes que minha raiva se materialize e eu acabe deletando aquela merda de vez.

Anúncios